Scania dá exemplo de solidariedade


A Scania está dando exemplo de solidariedade ao ingressar com outras empresas na campanha para combater de forma efetiva o Coronavírus no Brasil e ajudar a salvar vidas. Com o aumento do número de mortes e internações provocadas pela Covid-19 e a falta de respiradores pulmonares nos hospitais, profissionais da Scania entraram na corrida para consertar equipamentos danificados que estão inativos a espera de manutenção.


De acordo com a LifesHub Analytics e a Associação Catarinense de Medicina (ACM), atualmente são mais de 3,6 mil ventiladores pulmonares que estão fora de operação no Brasil, seja porque foram descartados ou têm necessidade de conserto. Segundo os dados, existem 65.235 equipamentos no país, sendo 17.837 na rede privada e 47.398 no Sistema Único de Saúde (SUS). Esses equipamentos são essenciais para o tratamento de pacientes com quadro grave da doença.


Uma rede voluntária com 32 pontos foi criada para receber os respiradores, entre unidades do SENAI e plantas de empresas, como a Scania. Os pontos estão localizados em 17 estados: Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Roraima, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins.

Para a realização do serviço foi construído um quartel-general no Ginásio Poliesportivo do Scania Clube. A manutenção das máquinas começou no dia 1º de abril, quando chegaram 21 respiradores retirados voluntariamente por colaboradores da Scania de um hospital localizado no bairro do Ipiranga, em São Paulo. Dois dias depois chegou o segundo lote, com 15 unidades, vindas da baixada Santista, totalizando 36 equipamentos.

Tudo é feito seguindo um rígido protocolo de cuidados com os aparelhos e com os profissionais que os manuseiam. Após higienização completa dos aparelhos, eles ainda ficam algumas horas de quarentena. A limpeza é importante para dar segurança aos profissionais que vão fazer a manutenção.

Hardwares
Os profissionais da Scania são responsáveis pela manutenção dos hardwares, utilizando a experiência em mecânica, elétrica e eletrônica. Caso o problema seja eletrônico e com maior complexidade, quatro empresas parcerias da Scania, especializadas na área, auxiliam na substituição de componentes, como placas eletrônicas.

Ao todo, a Scania conta com o envolvimento de 30 pessoas que viabilizaram o projeto, incluindo segurança patrimonial, segurança do trabalho, gestão da saúde, gestores e a área de relações corporativas. Desse contingente, 10 colaboradores estão trabalhando diretamente na manutenção dos equipamentos, desde o conserto até a logística de retirada.

Voluntariado
A decisão da Scania em ingressar nesta ação fortalece as inúmeras iniciativas de seus voluntários, das pessoas que fazem a diferença diante deste cenário atípico que vivemos mundialmente. O negócio da Scania é produzir motores, caminhões e ônibus, porém, o grande motivo de participar dessa iniciativa é ajudar a salvar vidas. Com a união de todos, vamos vencer a batalha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.